Carolina Modaneze, de 39 anos, é game designer e sempre teve paixão em usar os jogos e ferramentas lúdicas em ambientes de aprendizagem – para engajar crianças, jovens e até adultos. Nos últimos dez anos, ela passou por grandes empresas, como Leroy Merlin e Roche Farmacêutica, até que decidiu empreender.

Leia mais: 
Ela deu um basta na gordofobia, pediu demissão e virou empresária de moda 
Ela ressalta a beleza do corpo gordo por meio da fotografia

“Nossa missão na Fagulha é provocar a curiosidade para que as pessoas possam aprender mais sobre temas atuais e relevantes para a formação de cidadãs e cidadãos. Portanto, nossos jogos trazem temas como a representatividade feminina, por exemplo, de um jeito leve e inspirador, para que as pessoas tenham esta vontade de conhecer mais sobre o assunto”, conta Carolina.

No empreendedorismo, ela explica que os desafios são imensos, mas o resultado é gratificante: “Empreender é uma luta diária, somos constantemente testados por dificuldades ou propostas de emprego inegáveis. No entanto, as recompensas são muito maiores! Trabalhar em um projeto alinhado às suas crenças e valores, que tem o seu DNA e com o propósito de participar da transformação do mundo não tem preço”.

Carolina Modaneze, 39 anos – Game Designer

Em maio deste ano, a Fagulha foi selecionada entre 250 empresas para participar do Programa de Aceleração da Herd, que faz parte da Rede Mulher Empreendedora. “Ampliou o nosso olhar sobre as possibilidades do nosso negócio e nos fez enxergar o quão valioso é o nosso negócio (muitas vezes a autocrítica nos cega e só vemos um pequeno pedaço de tudo que podemos ser e construir)”, afirma a game designer.

Mulher empreendedora

“Mulheres precisam se provar a todo o instante! Para ocupar os mesmos espaços, precisamos estar muito mais preparadas, ter mais ‘chancelas’ e estar mais disponível”

“Para mim, que tenho um sócio homem, doí ter que passar toda vez por reuniões em que as conversas são direcionadas a ele, mesmo quando estamos falando da minha especialidade: jogos! Quebrar este viés cultural é bem desgastante, mas vale muito a pena (só poderia ser mais fácil, né?)”, comenta Carolina.

Apesar das dificuldades – tanto em empreender, quanto ser mulher neste universo -, Carolina quer construir uma rede de colaboradores e parceiros de dar orgulho, além de transformar o mundo: “Queremos fazer parte deste grande movimento transformador que estamos vivendo e sabemos que sozinhos, será quase que impossível. Acreditamos que a educação é o caminho possível e queremos contribuir da forma que podemos, com jogos de tabuleiro, cartas, atividades e oficinas que proponham reflexões. Queremos ser a ‘Fagulha’ que provoca o desejo de mudança nos que passarem pelas nossas experiências de aprendizagem”, completa.

Incríveis Inventoras e suas Grandes Invenções

O jogo tem como objetivo apresentar mulheres incríveis, que mudaram o mundo moderno com suas criações e que não são conhecidas pela grande maioria. “Quando tivemos contato com os dados estatísticos das posições ocupadas pelas mulheres nas carreiras STEM (Ciência, Tecnologia, Engenharia e Matemática) e que as meninas no ensino médio dificilmente optam por este caminho, quisemos criar um jogo que quebrasse este viés inconsciente de que mulheres e ciência não combinam”, revela a empresária.

“A partir desta reflexão e depois de muita pesquisa, escolhemos 24 inventoras que desenvolveram tecnologias que proporcionaram o surgimento do WIFI, o Bluetooth, o Telefone Celular, mulheres que empreenderam e construíram multinacionais bilionárias e muitos avanços na medicina, proporcionando a reflexão de que o lugar de mulher é onde ela quiser”, finaliza.

Siga o Blog Barbarela no Instagram
Siga o Blog Barbarela no Facebook

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here