***Por Graziela Sirtoli 

Como é seu guarda-roupa? Como são seus hábitos de compra? Como você lida com uma promoção? Já parou para pensar nisso?

Na última semana, no Brasil e em várias partes do mundo, aconteceu o Fashion Revolution Week, um evento que tem como objetivo repensar o consumo e o modo como nossas roupas são produzidas.

Leia mais: 
– Toda grandona: as referências que fogem do padrão do mundo plus

Ele nasceu da indignação de diversas mulheres ao saber da morte de 1.133 pessoas em uma fábrica têxtil em Bangladesh. Essas vítimas e outras 2.500, que ficaram feridas, eram trabalhadoras e passavam horas e horas produzindo em um lugar com péssimas condições e salários baixíssimos.

Chegou a hora de pensar de onde vem suas roupas – Creative Commons

Esse caso ficou conhecido mundialmente. Mas, infelizmente, ele não é o único. É só dar um Google e aparecem várias matérias falando sobre trabalho em condições análogas à escravidão em fábricas que vão desde o Bom Retiro até a China. Então, meninas… É hora de colocar a mão na cabeça e tomar para si o problema também.

Afinal, que graça tem usar uma roupa maravilhosa se ela tiver sido costurada por alguém que não está recebendo o que merece e, pior ainda, trabalhando em um regime de escravidão? Todo o glamour vai embora, não é mesmo?

Ser um consumidor que pensa, que exige e que por meio dos seus hábitos constrói um mundo melhor é o que está em alta nesta e EM TODAS AS ESTAÇÕES!

Se identificou com essa causa, mas não sabe o que fazer e nem por onde começar? Calma, que vamos te dar uma ajuda.

DICA 1-  Olhe as etiquetas: entrou numa loja e gostou de uma blusinha? Vire ela do avesso e olhe a etiqueta. Foi produzida na China, Taiwan, Turquia? Pode começar a se preocupar. No geral, esses países são escolhidos pelas marcas por terem uma legislação trabalhista pouco rigorosa. Mas não se engane, tá?! Muitas roupas feitas no Brasil também fazem parte desse mercado e ainda se utilizam de imigrantes ilegais, que pouco podem recorrer à polícia. Portanto, se o preço for muito baixo, desconfie!

Campanha do Fashion Revolution apela para consciência das pessoas – Reprodução/Instagram

DICA 2 – Pare de consumir sem necessidade! Esta, além de ser uma dica sustentável, ainda é boa para o seu bolso. Escolha melhor as peças que você vai comprar. Se conheça, saiba o que lhe cai bem, o que você gosta de usar. Não caia em roupas de “modinha” e com um precinho legal. Como já disse o estilista Ronaldo Fraga, uma roupa de R$ 30 não é barata, ela pinga sangue. Compre peças de marcas com um trabalho que você conhece e que paguem um valor justo a todas as pessoas envolvidas em sua cadeia de produção.

DICA 3 – Questione as marcas: por trás de toda roupa, há muitas pessoas envolvidas e, na maioria dos casos, elas não estão sendo nem um pouco bem pagas por isso. Para quem é consumidora da moda plus size, essa é hora de ser chata mesmo. De que adianta a marca ser inclusiva em sua tabela de medidas, se na forma de trabalho ela ainda é retrógrada?Como esse é um mercado que está crescendo, ele pode ser ainda mais revolucionário e caminhar lado a lado a uma moda mais justa e consciente, desde o modo de produção até a escolha da matéria-prima. Porém, para isso, é preciso que as consumidoras façam seu papel e exijam isso. Nós conversamos com a Débora Fomin, criadora da ALT, uma marca de tamanhos grandes, slow fashion e que está fazendo seu papel para uma moda mais justa. Vale conhecer!

Brechó é opção para encontrar roupas em conta – Creative Commons

DICA 4 – Visite brechós: “Credo! Roupa velha? Eu não!” Que isso, gente. Lavou, tá nova. Em um brechó de qualidade, você consegue peças com tecidos ótimos e que ainda têm muita lenha para queimar. É difícil achar peças plus size em brechós? Olha aí a oportunidade de negócio! Que tal montar um em sua cidade, seu bairro? Quanto mais gente procurar, divulgar, mais opções vão surgir e, assim, roupas lindas poderão ganhar
novas donas.

DICA 5 – Troque com as amigas: por que não juntar algumas amigas e montar um bazar? Todo mundo tem no armário uma roupa parada no armário e que não usa mais. Marque uma data, faça umas comidinhas, combine com as amigas para cada uma levar algumas peças e pronto! Uma dica legal é colocar em cada peça uma cartinha com a história daquela roupa. Afinal, se ela fez parte da sua vida, pode também fazer parte da vida da sua amiga!

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here